José Freitas

José Freitas

sábado, 18 de junho de 2016

ARRAIÁ BELA VIDA

                                      ARRAIÁ BELA VIDA 
                                             Autor:José Freitas de Sousa


Olá cumpade e cumade
E ocês  minha gente quirida
Hoje chegou nosso dia
Receba nossa aculhida
Pra brincar na nossa festança
No Araiá bela vida

É a tia Zuh que ti agradece
Junta cá tia renata
Tia manu e o nosso grupo
Que especial se distaca
Na nossa festa junina
Ornamentado a barraca

Quem primeiro se destaca
É ocê que já tá presente
Nossas quiriidas crianças
O grande orgulho da gente
E agora vou apresentar
Nossa equipe a trabaiá
Na nossa linha de frente

A fuguera já tá ardente
Aquecendo nossa meteria
Rojões e bombas estourando
E balões em viagem aérea
Dado o grito inicial
Nossa Diretora valeria

Já preparada pra paquera
Alane nossa secretária
Já chama nossa quadria
Cum toda atenção necessária
Engrandecendo nosso araiá
Alunos e funcionarias

 E dando assistência necessária
As auxiliares de disciplina
Tia Bel e Tia Josy
Tia Ivonete e outra menina
Tia Joicy o encanto
Da cultura nordestina

Também tem nossas meninas
Atuantes no itinerário
Que cuidam de nossas crianças
Pra elas não tem horário
Falo de patrícia e sâmara
Figuras humildes e raras
Cuidadoras do berçário

Pode se aprochegar
Pois já vamo iniciá
A nossa festa Junina
Já pode pegar seu pá
Que agora é sô forro
aqui no nosso araiá

O Berçario Escola nova vida
Agradece de coração
A todos que aqui vinheram
Pra nossa apresentação
De toda equipe gestora
O apoio e professoras
Deseja felizzzzzzz não Joaaão








sábado, 12 de março de 2016

SOBRADINHO:NOSSA TERRA NOSSA GENTE

                          Sobradinho: Nossa Terra, Nossa Gente.
                                                                   Autor: José Freitas de Sousa

                  01
Pra resgatar Sobradinho
Viajei a profundidade
E trouxe do túnel do tempo
O que um dia foi na verdade
Marco que conta a historia
Desta querida cidade
                 02
A origem de sobradinho
Presume de um casarão
Um sobrado muito antigo
Que havia na região
Do senhor Shefik Khoury
Um produtor do sertão
                   03
Com a construção da Barragem
Surgem duas vilas no canteiro
São Francisco e Santana
E São Joaquim derradeiro
Essa nascida do esforço
Da fé dos aventureiros
                   04
Foram eles os barrajeiros
Que pegaram no batente
Fundadores da cidade
Obras temporariamente
Que com a evolução da época
Torna-se vila permanente
                   05
Foram milhares de famílias
Do Ceará, Maranhão,
Pernambuco e Piauí
Paraíba e região
Que se abrigaram em Sobradinho
Em barracos de papelão


                   06
Logo começa a desmata
Pela lei da sobrevivência
Lenhas tiradas pro fogo
E madeiras pra residência
Casas de taipa e de tábua
Inseguras e sem resistência
                      07
Famílias viviam assombradas
Andar sozinha isso não
Muitas vezes se acordavam
Sem paz, sem proteção.
Em barracos de madeiras
Coberto de papelão
                    08
Gente morta era encontrada
 Em matagais e monturos                                                   
Nos bares e outros lugares
Em beco claro e escuro
E por isso teve o vulgar
Apelido de “Cai Duro”
                    09
Esse nome de “Cai Duro”
Deu-se por ocasião
De alguém assassinado
Encostado a um paredão
Ao ser tocado na hora
Seu corpo tombou ao chão
                    10
Era assim que era chamada
Nossa vila São Joaquim
Por nada, corpo tombava.
De homem, mulher era assim.
Tanto sangue derramado
Na terra dos Tamoquim
                     11
Mais de trinta e cinco mil
Pessoas aqui chegaram
Muitas conseguiram empregos
Outras nem se quer ficharam
Muitas se foram embora
Outras, por aqui findaram.

                       12
Tão grande era o movimento
Do povo que ia e vinha
Gaiolões levando gente
Da barragem até a feirinha
Era esse o movimento
De manhã e à tardezinha
                       13
“Gaiolão” pra quem não sabe
Tratava-se de dois vagões
Um reboque de madeira
Ou metal em caminhões
Que servia de transporte
Pra conduzir os “pinhões”
                       14
Era assim que era chamado
Estes nobres operários
Os campeões imbatíveis
Legítimos funcionários
Que ajudaram no progresso
Pesqueiro e eletricitário
                     15
Foram eles que edificaram
O alicerce da cidade
Dando sua contribuição
Pra transformar em verdade
O que um dia foi um sonho
E hoje é realidade
                    16
Vivemos dias terríveis
Quando as obras terminaram
Surgiram dias difíceis
Pra todos que aqui ficaram
E muitos pais sem emprego 
Pra suas terras voltaram
                     17
Ficaram poucos operários
E Sobradinho outra imagem
Se foram aqueles “pinhões”
Rumo a outras barragens
Acompanhando as firmas
De construção e planagem


                     18
E aquele vilarejo
Que foi tão movimentado
Torna-se um lugar pacato
Porém muito castigado
Pois com a falta de emprego
Deixou o povo aperreado
                     19
Havia na comunidade
Homens de bom coração
Que se sensibilizavam
Com a crítica situação
E se emprestavam a lutarem 
Em prol da população
                     20             
O saudoso Geraldo Silva
Inesquecível lutador
Pioneiro incansável
Um grande batalhador
Eleito por Sobradinho
Primeiro vereador
                 21
Foi funcionário da Chesf
Trabalhou pelo social
Ajudou muitas famílias
Dando assistência total
Em tudo que era possível
Com presteza sem igual
                  22
Fez doações de terrenos
Com título à população
Também com materiais
Pra ajudar na construção
De inúmeras residências
Pra quem não tinha condição
                   23
Ex-presidente da Câmara
De Juazeiro o Ribeirinho
Esposo de Dona Heloísa
Foi reconhecido com carinho
E mais tarde eleito o primeiro
Prefeito de Sobradinho

                    24
Outro nome hoje lembrado
Para ficar na memória
Do povo de Sobradinho
Por sua luta e trajetória
Seu carisma, sua coragem.
Sua luta e sua vitória
                    25
José Balbino de Sousa
Que de saudosa memória
Lutou defendendo o povo
Conquistou grande vitória
Na luta perdeu a vida   
Passando da vida pra história
                    26
Tantas vezes ajudou
A nossa gente daqui
Fundou associações
Passou noites sem dormir
Mas deu a volta por cima
E criou o Tatauí
                    27
Travou uma luta ferrenha
Em prol da nossa cidade
Conseguiu com a fundação SESP
Um posto pra comunidade
E a caixa d’água, da EMSAE.
Pondo um fim à calamidade
                   28
Filho de Serra Talhada
Um lutador arretado
Não tinha medo de falar
Pra Governador, nem Deputado.
E um dia veio de Brasília
Com o presidente ao seu lado
                     29
Foi o presidente Sarney
Pra fazer a inauguração
Do projeto Tatauí
Uma fonte de produção
Pra  agricultura irrigada
Dessa nossa região

                     30
Realizou um grande sonho
Que tinha em seu coração
Criou frentes produtivas
De cebola, milho e feijão.
O projeto Tatauí
Lutas da associação
                     31
Novembro de oitenta e nove
Partiu prematuramente
Levando consigo os sonhos
Findos em um acidente
Que tirou do nosso convívio
O ilustre amigo da gente
                    32
Balbino não descansava
Atrás da sobrevivência
Pra uns ajeitava roça
Com fé e com paciência
Pra outros garantia o sustento
Nas frentes de emergência
                   33
Mulher tecia tarrafa
E rede para pescar
Homens construíam barcos
Cadeira e mesa pra bar
Cortavam cana na usina
Pra família sustentar
                   34
Á tarde pra me banhar
Depois da luta que fiz
Passava horas e horas
Na muriçoca infeliz
Esperando uma lata d´água
Na fila do chafariz
                35
Era assim o abastecimento
De água à comunidade
Dezenas de chafarizes
Pra atender a necessidade                                                   
Com grandes filas de latas
Por toda localidade

                 36
E a través dos chafarizes
Muitos ganhavam sua feira
Enchendo tambor nas casas
Conduzindo dessa maneira
Quatro latas com um pano
Num carrinho de madeira
                  37
As carrocinhas eram levadas
Por menino e menina
Por senhores e senhoras
Que levantavam a matina
Muitas feitas pela senhora
Maria Alexandrina
                   38
A água aqui era precária
Foi não foi uma briguinha
O povo disputando vaga
E no entrosar da latinha
Começava um bate boca
Do vizinho com a vizinha
                   39
Vi pessoas utilizando
Água que caía no chão
Para molharem a massa
La da sua construção
Regar jardins e fruteiras
Evitando a perdição
                   40
Era critica a situação
O povo sem água, penando.
E bem perto a barragem
De água esborrotando
Com suas comportas abertas
Dia e noite jorrando
                   41
Ó  que estampido bonito
Que nos chamava a atenção
O nível do rio nas alturas
Alagando a região
E o povo quase sem água
Sofrendo humilhação

                  42
Ao lembrar-me dos chafarizes
Recordo com emoção
Seu Alberto do chafariz
Que fazia a manutenção
Junto com Paulo da silva
Colega de profissão
                   43
Quando quebravam uma torneira
Seu Alberto consertava
Se outra dava um defeito
Rapidinho ele trocava
E graças a seu cuidado
Água ali não faltava
                    44
Outro caos era o transporte
De Sobradinho a Petrolina
Passagem de táxi um absurdo
Por causa da gasolina
Foi daí que veio a empresa
De transporte Joalina
                    45
Diniz de Sá Cavalcante
O dono da joalina
Ao criar a linha de transporte
De Sobradinho a Petrolina
Traz a terra da barragem
Um posto de gasolina
                     46
Depois veio a Bonfinense
Que fazia o roteiro
Na linha de Sento-Sé
Sobradinho a Juazeiro
Mais tarde veio a Gontijo
Pra transportar passageiro
                     47
Pra terra soteropolitana
Até hoje viajamos feliz
Quem já foi pra La gostou
E com certeza pede bis
De Sobradinho a Salvador
Disponha da São Luiz

                   48
Havia também a linha
Há muitos anos atrás
Por Antônio José da Silva
Que não esqueço jamais
Sobradinho Juazeiro 
Via Caraíba Metais
                   49
A Cocota de Gabriel
Todo dia da semana
Dirigida por Isabel
Uma figura bacana
Fazia todo o trajeto
Na linha interurbana
                  50
São inúmeras as lembranças
Que tenho desta cidade
Quando ainda vilarejo
Revelo hoje com saudade
O que memória armazenou
Desde minha mocidade
                   51
Vou iniciar pelos clubes
O lugar bom da paquera
Onde jovens se divertiam
Joana, João, Josefa e Vera.
Até o dia raiar
La na toca da Pantera
                  52
O Esquinão e a Biboca
O Califórnia com firmeza
O Piraca e o Xalé
O Sajec com certeza
O Santana e o São Francisco
Disk Dance e Camponesa
                  53
Os Cinemas estão gravados
Seus nomes em minha lembrança
Cine Tropical e Santana
São Francisco, Esperança
E o saudoso cine Lindóia
Que assistir quando criança

                    54
Eram três panificadoras
Que fazia pão pra gente
Panificadora pinguim
A cruzeiro certamente
E a pioneira de todas
A Padaria Pão quente
                   55
De Manoel e Dona Alzira
Veio à farmácia Sobradinho
De Dona Salete a Valença
Que sempre atendeu com carinho
A São Francisco e São Judas
Pioneiras dos ribeirinhos
                   56
Supermercados destaques
Em Sobradinho da Bahia
Supermercados Pinguim
Que atendia a freguesia
O Milbefam e Serve Bem
O Campeão da Economia
                   57
O Supermercado Nery
E Mercadinho Popular
Mercadinho Ponto Certo
Que veio para ficar
Ki-Preço e Egipciense
Os melhores do lugar
                  58
Os hotéis que hospedavam
Funcionário a todo instante
Era os hotéis bom sabor
Que acolhia os visitantes
Hotel Bahia e Sobradinho
Cearense e Bandeirante
                   59
Existia a igreja católica
A Primeira Igreja Batista
A Assembleia de Deus
A Cristã e a Adventista
Exército de Salvação
Universal e Metodista

                  60
Os lugares mais frequentados
Na farra e na diversão
Recorda-me o Chililique
Centro de prostituição
Onde muitos perderam a vida
No meio da devassidão
                   61
O Chililique era um prostíbulo
O conhecido cabaré
A zona mais movimentada
Por todo tipo de mulher
Pra cada homem escolher
Do jeito que ele quiser
                   62
Foi na quadra N-vinte e quatro
Que o “chila” foi se criando
E hoje tem como lembrança
O campo do São Caetano
Que apagou sua imagem
Com a passagem dos anos
                    63
Lembro- do bar Chapéu de Couro
E o Forró da Baiana
Bar Mineiro e Jeca Tatu
E mercearia pernambucana
Sem esquecer o Portas Abertas
Todo dia da semana
                   64
Lembro-me do ponto de ônibus
De dona Irene e Seu João
A onde na Joalina
Pegava minha condução
Pra Juazeiro ou Petrolina
Ou pra outra região
                   65
Lembro-me da lanchonete
De seu Louro, na Feirinha
Por nome NESCAFÉ
Que sempre de manhãzinha
Já estava pronta pra atender
Ao povo que ia e vinha

                    66
Zé Terto e Dona Carminha
Josa e Terezinha do bar
João da Fruta e Luiz Galego
E os marchantes exemplares
Amorim e seu Amauri
Agamenon e Valdemar
                     67
Lembro- de Miguel Dentista
Biu, Pedro e Zé Barbeiro
Ciganinho aboiador
Everto e Dedé Sapateiro
Mãe Santa  kasé Cambista
Mundinho e Dedé Sanfoneiro
                     68
Quem não lembra Raimundo Cunha
Do Nery, lá da Feirinha.
E do “Tibi” de Peitica
De Pedro Doido e Anjinha
E das chamadas de Bingo
Na voz de Paulo Barrrinha
                     69
Seu Miguel Lustosa Leite
O saudoso Vereador
O grande Sargento Oliveira
E Antônio Santana, o Pastor
Jurandir Oliveira Costa
Poeta, músico e escritor.
                   70
Clealmir vieira, Doutor
Formado na Medicina
Doutora Ângela Santana
Pediatra gente fina
Doutores Alberto e Aderaldo
Frederico e Alexandrina
                     71
Lembro-me do Doutor Reginaldo
Doutor Jorge e Tiburtino
Doutora Vera e Ismael
Renato e Doutor Altino
Doutora Tânia Morena
E Evaristo desde menino

                    72
O saudoso carcará
Que a feirinha vigiava
Que de tanto enfrentar frio
Enfraqueceu na jornada
E terminou perdendo a vida
Nas más noites que passava
                    73
Padre Chiquinho e Eduardo
Valdir Blandino Siqueira
Vereador Hélio do Peixe
Professor Enélvio Pereira
O saudoso João Boca Rica
Celito Kestering e Pereira
                   74
A Comunicadora Paizinha
Na Divulgadora Alvorada
A incansável Zefinha
Mulher firme na caminhada
E Dalvecir do Bem-Fan
A clínica da mulherada
                       75
Foram essas e mais pessoas
Pioneiras que aqui chegaram
Umas que nem lembro o nome
Outras que se destacaram
E juntos ergueram a bandeira
E Sobradinho emanciparam
                      76
Foi no Governo de Waldir Pires
A luta pela emancipação
Lideres se reuniam
Em busca de uma solução
Pra se tornar independente
Um anseio da população
                      77
Teve a frente Geraldo Silva
Zé Carlos e José Balbino
Seu Noé e Geraldo Dantas
Magnólia, Elízio Galdino.
Celso Ribeiro e Miguel Lustosa
Irmanados num só destino

                      78
E com esta grande luta
Veio à realidade
Através do plebiscito
O povo ganha a liberdade
Votando a opção SIM
E Sobradinho passa a cidade
                      79
Foram estes os candidatos
Que vou relatar aqui
Juntamente com seus vices
Que escrevo os nomes a seguir
Estão Elízio Manoel Galdino
Geraldo Silva e Balbino
Cristina e Cícero Cari
                      80
No ano de oitenta e nove
Ouve a primeira eleição
O dia quinze de novembro
Anunciaram em primeira mão
Geraldo Silva é eleito
O prefeito do povão
                      81
Foi um dia nunca visto
Na nossa comunidade
O povo soltou o grito
Dando viva à liberdade
Seu Geraldo é o prefeito
Da nossa nova cidade
                      82
Eleito com Ivan Borba
Primeiro vice-prefeito
Sobradinho era só festa
O povo bem satisfeito
Ansiosos para ouvir
A voz do prefeito eleito






                      83
Até que chega o momento
De ouvirmos o pioneiro
Bastante emocionado
Saúda a todos os companheiros
Entrevistado por Marta Lúcia
Da nobre Rádio Juazeiro
                       84
Mas vejam como é a vida
Quando muitos se alegravam
Triste notícia surgia
Da qual o povo não esperava
Zé Balbino morre em acidente
E quem sorria se enlutavam
                      85
Ia ele em seu fusquinha
Acompanhar apuração
Mais o destino não quis
Que chegasse à conclusão
E partiu prematuramente
No dia da eleição
                      86
Deixou esposa e filhos
E o povo a quem tanto amou
Seus projetos e seus sonhos
Sua gente a quem tanto ajudou
E nas asas da saudade
José Balbino voou
                       87
Sua partida deixou saudade
Pra sempre em nossa memória
Seu nome é um troféu
Da sua luta e trajetória
Pós quem viveu pra servir
Merece seu nome ir
Para os anais da historia
                       88
Assim se foi José Balbino
Mais o seu nome ficou
Pra os amigos e familiares
Povo a quem tanto amou
Sua historia findou aqui
Mais a luta continuou
                       89
Mil novecentos e noventa
Sobradinho um novo roteiro
Geraldo Silva é empossado
Com Ivan Borba seu companheiro
E os nove vereadores
No dia primeiro de Janeiro
                      90
Este dia ficou na história
Geraldo Silva por sua vez
Obedecendo a lei quatro mil
Oitocentos e quarenta e três
Faz de três vilas uma cidade
Mais próspera feliz e Cortez
                       91
Foram esses os vereadores
Que iniciaram a trajetória
À frente do legislativo
Deixando em nossa memória
Seus nomes perpetuados
Como os primeiros da história
                        92
Geraldo Dantas, primeiro vice
Gabriel Gomes, presidente.
Ângela Santana e Celito Kestering
E Joel Pacheco da gente
O saudoso Hélio do peixe
E Vianez da Pão Quente
                       93
Foram eles que criaram
Com lutas e sacrifício
As leis que até hoje regem
Sobradinho desde o princípio
O Regimento da Câmara
E a Lei Orgânica do Município
                       94
No dia 10 de abril
Sobradinho entristeceu
Aos cem dias de governo
Cedo a notícia correu
Vítima de um infarto
Geraldo Silva morreu

                        95
A morte interrompeu um sonho
De homem, mulher, criança.
E se foi o nosso prefeito
Deixando feitos como herança
E seu nome eternizado
O caminheiro da esperança

                        96
Com a morte de Geraldo Silva
Seu vice é empossado
Ivan Borba de Carvalho
Com o mesmo secretariado
Que vinha na caminhada
De bons serviços prestados
                        97
Ivan Borba de Carvalho
Deu assim continuidade
Tirando nosso Sobradinho
Da triste calamidade
E fazendo os nossos sonhos
Virarem realidade
                       98
Sobradinho que era de fato
Um curral eleitoreiro
Pra eleger os políticos
Da vizinha Juazeiro
Começa a andar com seus pés
Com um povo feliz e ordeiro
                      99
Trinta e um meses e dias
Ivan Borba administrou
Com trabalho levado a sério
Nas obras que realizou
Cumprindo assim o destino
Que a vida lhe preparou
                     100
Um novo grupo formou
Na época prefeito Ivan
Como engenheiro agrônomo
Que conquistou muitos fãs
E disputou a sucessão
Luiz Berti Sanjuan
                 101
O PDC dava continuidade
Com Genilson e Hamilton Pereira
Prefeito e vice-prefeito
Que não subiram a ladeira
Por causa da intervenção
Da justiça Brasileira

                 102
Genilson por ser o filho
De Geraldo, o ex-prefeito.
Foi impedido de concorrer
Na majoritária o pleito
E deu apoio ao seu vice
E o resultado foi desse jeito
               103
No ano de 92
Hamilton pereira é eleito
Derrotando Luiz Berti
O candidato do prefeito
Deixando muitos alegres
E poucos insatisfeitos
                104
Nunca se viu na história
De qualquer outra cidade
Dois prefeitos aqui morreram
Em plenas atividades
Geraldo Silva e Hamilton
Vítimas da fatalidade
                  105
Dia treze de novembro
De viagem a Salvador
Ia Hamilton com seus filhos
Quando seu Tempra capotou
Tirando do rol da vida
O Prefeito Professor
                106
Hamilton, filho de Caruaru.
Esposo de Kátia Sá
Bom pai, bom irmão, bom filho.
Um professor exemplar
Que se foi, mas deixou seu nome.
Na história deste lugar
                107
Era Guilherme Thomás
O nome do vice-prefeito
Que com a morte de Hamilton
Passa de fato a direito
E é quem passa a prefeitura
Ao terceiro prefeito eleito

                   108
Guilherme Thomas de Araújo
Um marchante veterano
De São José do Egito
No Sertão pernambucano
Mais um herói imbatível
No vale Sã Franciscano
                  109
No ano de noventa e seis
Ficou marcado em Sobradinho
Nosso povo vai às urnas
E vota bem direitinho
E elege o terceiro prefeito
Luiz Berti, o Bigodinho.
                  110
Casado com Dona Maysa
Formado em agronomia
Natural de Buararema
Cidade do sul da Bahia
Servidor público do Estado
Na área de agronomia
                    111
Funcionário da E.B.D. A.
Onde tem serviços prestados
O qual no governo de Ivan
Fez parte do secretariado
Que mais tarde se torna prefeito
E um dos mais bem votados
                    112
Luiz e Ivan foram eleitos
No partido  PDT
Depois com o Vice Gabriel Lustosa
O segundo mandato a exercer
Na época com o número 14
Do partido PTB
                    113
Foi uma vitória esmagadora
Em cima de Chico Nordeste
Candidato do PPB
Que não lhe venceu neste teste
Tendo como seu vice, Ivan.
O novo prefeito Luiz Berti

                     114
Governou de noventa e sete
A dezembro do ano dois mil
Um dos prefeitos reeleitos
Na história do meu Brasil
Que entregou ao seu sucessor
O cargo que o conduziu
                     115
Em dois mil e quatro, Luiz Berti.
Termina sua jornada
 Elegendo Antônio Gilberto
Que segue sua caminhada
Com vice José Fernandes
Pelo PL da época passada
                     116
Gilberto derrotou nas urnas
Genilson Silva e Silvinho
Candidatos do PMDB
A prefeito de Sobradinho
Que enfrentaram dois grupos
De Gilberto e  Bigodinho
                     117
Antônio Gilberto de Souza
Natural de Serra Talhada
Do agreste pernambucano
Homem das mãos calejadas
Que tira da terra o sustento
Através do cabo da enxada
                     118
Filho de José Balbino
E da senhora Luzia
Casado com Dona Carminha
Conhecido em toda a Bahia
Um forte guerreiro incansável
Nas lutas do dia-a-dia
                   119
Gilberto segue a missão
Que aprendeu com eu genitor
A vontade de servir
E a certeza de vencedor
Vitorioso nas lutas
Imbatível batalhador

                  120
Começou como vereador
Sem temer lutas nem estorvo
Um campeão de viagens
Em busca de um projeto novo
Que viesse melhorar
A vida do nosso povo
                  121
Sua luta trousse bons frutos
Pra todas as associações
De tratores que tombam terra
Pro início das plantações
Roça em diversas áreas
Completa com habitações
                  122
Gilberto conquistou
O projeto Cédula da Terra
Loteamento José Balbino
Vitória em mais uma guerra
E da eólica, gerando energia.
Lá na chapada da serra
                  123
O mandato de Gilberto encerra
Chega mais uma eleição
O mesmo concorre ao pleito
Sem êxito na votação
E volta firme e mais forte
A liderará associação
                  124
5 de outubro de 2008
Dia de eleição novamente
Sendo esses os prefeituráveis
Que já narrarei no repente
Antônio Gilberto de Souza
Genilson e Luiz Vicente
                 125
Genilson ganha à eleição
Com votos e o carinho
Derrotando Luiz Vicente
O filho do Bigodinho
Sendo filhos de ex-prefeitos
Que governaram Sobradinho

                  126
Genilson Barbosa da Silva
Agrônomo e professor
Esposo de Marizalva
Homem humilde e trabalhador
O nosso quinto prefeito
Desde Geraldo, seu genitor
                   127
Teve como vice de chapa
Um guerreiro neste duelo
Seu amigo ex-vereador
Do partido amarelo
O grande Caruaruense
Adeilson Bezerra de Melo
                  128
Filho de Paulo Barrinha
E de Dona Boaventura
Foi pregador de botão
Secretário de Cultura
Saúde e educação
E finança da prefeitura
                   139
Ex-presidente da câmara
Vice-prefeito excelente
Vereador por três mandatos
Um amigo sempre presente
Que partiu deixando saudade
No coração dessa gente
                     130
No dia 11 de junho
Triste notícia correu
Sua família e seus amigos
Chorou pelo que aconteceu
Sobradinho está de luto
Adeilson Bezerra Morreu
                     131
Sua morte finda uma história
De dor e de sofrimento
Dos que também o acompanhavam
As notícias a cada momento
Por toda sua trajetória
Até seu falecimento

                     132
Ficou pra nós o exemplo
Da sua honestidade
Sua coragem, seu pulso.
Seu amor pela cidade
E partiu levando os sonhos
Consigo pra eternidade
                     133
Pra sempre ficou a saudade
Pra sua esposa mãe e irmãos
Grande lacuna na cidade
Com a falta do galegão
Conquistador de amigos
Por sua determinação
                       134
Prossigo minha história
Com dor e muita saudade
Do nosso amigo Adeilson
Que descansa na eternidade
E grato por sua contribuição
No progresso desta cidade
                135
Sobradinho 2012
Ano de eleição novamente
Luiz Berti vai às ruas
Pedir voto a nossa gente
E elege para prefeito
Seu filho Luiz Vicente
                136
Nessa segunda vez
Luiz Vicente concorre ao pleito
Juntamente com seu vice
Agora de fato e de direito
O qual competiu com Berti
Ao cargo de vice-prefeito
                137
Com mais de oito mil votos
Foi uma vitória expressiva
Derrotando seu oponente
O ex-prefeito Genilson Silva
Desta vez no PDT
Alcançando sua expectativa

                 138
Filho de Dona Maysa
E de Luiz Berti, o bigodinho.
Casado com Dona Fernanda
Luiz Vicente um Ribeirinho
Que fica na história o mais jovem
Prefeito de Sobradinho
                 139
Natural de Juazeiro
Formado em advocacia
Um jovem que na vida pública
Já conquistou maioria
Da confiança dos prefeitos
Do norte da nossa Bahia
                 140
Foi eleito por unanimidade
Para bem representar
Os municípios que precisam
De ações para melhorar
A vida do nosso povo
Das cidades que vou narrar
                  141
Nela está Juazeiro
Sento-Sé e Uauá
Casa Nova, Campo Alegre
Canudos e Curaçá
Remanso e Pilão Arcado
E Sobradinho, seu lugar.
                 142
Seu vice é o comerciante
Paulo Airton de lima
Também ex-vereador
Pernambucano de estima
Filho de Serra Talhada
Terra do verso e da rima                      
                  143
Um grande empreendedor
Que assumiu a responsabilidade
Quando foi vereador
Se doando de verdade
Pra zelar do bem do povo
Da nossa querida cidade

                 144
Paulo foi de Luiz Vicente
Sem dúvida o braço direito
Na campanha de 2012
Quando de fato e de direito
PDT e PSB
Elegem vice e prefeito
                 145
Dia primeiro de janeiro
De dois mil e treze é chegado
Luiz Vicente e Paulo Lima
Na Câmara são empossados
E conduzidos à prefeitura
Com o povão ao seu lado
               146
Vicente o sexto prefeito
Na história da criação
Do município de sobradinho
Que celebra com emoção
A passagem do vigésimo quinto
Ano de emancipação
                 147
Sobradinho dos currais
A capital da energia
Sobradinho do Opara
Que nos promove alegria
Banhando a nossa gente
E engrandecendo a Bahia
                 148
Sobradinho do Tatuaí
Terra da festa do vaqueiro
Sobradinho da copa de vela
Povo humilde e hospitaleiro
Terra da festa da cultura                
E São Joaquim, o padroeiro.
                 149
Sobradinho da Gente Valente
Do Abrigo Pedras Preciosas
Sobradinho do grupo Grutas
Eternizando gentes valorosas
Que doaram suas vidas a lutarem
Por uma causa valiosa
                 150
Sobradinho da Juacema
A terra dos Tamoquim
Terra do Chico Periquito
Que banha a você e a mim
Sobradinho dos bairros Santana
São Francisco e São Joaquim
  ACRÓSTICO
Firmado em conhecimento
Recordando com carinho
Escrevi este cordel
Irmanado com os ribeirinhos
Trazendo pela cultura
A história com lisura
Sobre nossa Sobradinho








JOSÉ FREITAS DE SOUZA
O Poeta do Vale do São Francisco
Sobradinho-Ba, 2015